Expediente Fale Conosco Nossas Igrejas Departamentos Quem Somos APS On-line Menu Principal Quem Somos APS On-line Departamentos Nossas Igrejas Fale Conosco Expediente

Segunda-Feira,
10 de Dezembro de 2018




Trabalhe Conosco
Parar de fumar exige seriedade e apoio

O cigarro é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o maior agente de poluição doméstica e ambiental.

Por Felipe Aquino

O Dia Nacional de Combate ao Fumo nos leva a refletir seriamente sobre esse grave problema. A maioria das pessoas sabe o mal que o cigarro e o fumo causam para a saúde. Em qualquer maço de cigarros, por obrigação legal, há uma advertência: “fumar faz mal à saúde”, “fumar causa câncer”, “fumar causa impotência sexual”.

Fumar, além de todo mal que causa ao próprio fumante, compromete a saúde e o bem-estar de quem está próximo. O fumante passivo também acaba absorvendo substâncias em concentrações semelhantes às de quem fuma.

O cigarro é feito do tabaco, e contém mais de quatro mil substâncias tóxicas. Algumas são gasosas, como o monóxido de carbono (CO), e algumas são partículas, como o alcatrão, a nicotina. Esses complexos incluem arsênico, amônia, sulfito de hidrogênio e cianeto hidrogenado. O alcatrão, além dos radioativos urânio, polônio 210 e carbono 14, concentra várias substâncias que podem alterar o núcleo das células.

É por isso que a fumaça do cigarro produz irritação nos olhos, nariz e garganta, causando alergia respiratória em fumantes e não-fumantes. O monóxido de carbono da fumaça atinge os pulmões e dali segue para o sangue, reduzindo sua capacidade de carregar oxigênio. As células deixam de respirar e produzir energia, fazendo com que o fôlego da pessoa fique prejudicado, além aumentar o risco de doenças cardiovasculares e respiratórias.

O CO também prejudica a formação do feto. Fumar durante a gravidez acarreta sérios riscos, tanto para o bebê quanto para a mãe. Abortos espontâneos, nascimentos prematuros, bebês de baixo peso, mortes fetais e de recém-nascidos, complicações com a placenta e hemorragias ocorrem mais freqüentemente quando a mulher grávida fuma. A nicotina de um único cigarro da mãe é suficiente para acelerar o ritmo cardíaco do feto.

A nicotina do fumo diminui a capacidade de circulação sangüínea, aumenta a deposição de gordura nas paredes dos vasos e sobrecarrega o coração, podendo aumentar a chance de a pessoa ter infarto do miocárdio ou câncer. O pior de tudo é que a nicotina reforça no fumante a vontade de fumar, isto é, provoca a dependência e o vício.

Além de uma infinidade de doenças, o cigarro pode gerar ainda outros males: faltas ao trabalho; queda de produtividade; aposentadorias precoces; mortes prematuras; incêndios rurais e urbanos; acidentes de trabalho e acidentes de trânsito.
    
Os entendidos em tributação dizem que os gastos sociais com o tabagismo são muito maiores que o que se arrecada de impostos do cigarro. As doenças cardiovasculares são as primeiras causas de morte no país, bem como a bronquite crônica e o enfisema, e estão relacionadas ao fumo. O câncer é a segunda causa de morte por doença no país, responsável por grandes gastos com tratamentos e internações hospitalares. Cerca de 90% dos casos de câncer pulmonar e 30% de todos os outros tipos de câncer são devidos ao tabagismo.
    
O cigarro é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o maior agente de poluição doméstica e ambiental. O menor consumo de cigarro está nas classes de maior rendimento familiar. Infelizmente, a população de menor renda, que tem saúde mais frágil, é a que mais gasta com cigarro, diminuindo às vezes a alimentação.

Para quebrar o hábito de fumar, é necessário fazer alguma forma de tratamento que elimine a dependência física e psicológica da nicotina. O acompanhamento de um médico e de um psicólogo é importante para ajudar a pessoa a vencer a ansiedade. Também um grupo de apoio religioso pode ser eficiente, bem como o estímulo familiar.

Não adianta ficar culpando e ofendendo o fumante. Precisamos ajudá-lo a vencer o vício, com caridade e perseverança.  E não se pode deixar de contar com a graça de Deus. Pesquisas mostram que muitos fumantes deixaram o vício depois que abraçaram a fé. O importante é não desanimar diante da luta contra o cigarro e todos os demais vícios que acabam fazendo companhia ao fumo, como o consumo de álcool.


  Envie a um amigo

 Veja também
  Fumo mata 23 brasileiros por hora
  Metade dos fumantes vicia antes dos 14 anos
  Programa Anti-Tabagista do Hospital do Coração comemora 600 mil atendimentos
 
 
Site UCB Escolas Adventistas Portal Adventista Página Inicial Escolas Adventistas Portal Adventista Página Inicial