Expediente Fale Conosco Nossas Igrejas Departamentos Quem Somos APS On-line Menu Principal Quem Somos APS On-line Departamentos Nossas Igrejas Fale Conosco Expediente

Quarta-Feira,
26 de Setembro de 2018




Trabalhe Conosco
Quem tem medo da CPMF?

Para quem deseja entender um pouco mais sobre o que é CPMF e os motivos que levam à prorrogação e oposição a mais este imposto, o artigo do jornalista Eliakim Araújo pode ajudar a tirar as dúvidas

São Paulo, 22 de novembro de 2007

NEGÓCIOS
Eliakim Araújo
www.diretodaredacao.com

Por que a maioria das pessoas é contra a cobrança da CPMF? Porque ela foi criada para atender à melhoria da saúde pública no Brasil e isso não está acontecendo, seus recursos entram no bolo da receita do governo e são deviados para outros fins; que a carga tributária brasileira é imensa, taxando o contribuinte em mais de sessenta impostos e contribuições; que ela se transformou em mais um imposto e o contribuinte não vê a contrapartida em melhoria de sua qualidade de vida; que os recursos assim arrecadados escoam pelos ralos da corrupção, etc,. etc,. etc.

Como se vê argumentos contrários são muitos e quase todo mundo os sabe de cor e salteado. Mas, pensando bem, quem tem medo da CPMF? Certamente aqueles que fazem grandes movimentações financeiras. Será que a maioria do povo brasileiro, que sobrevive com um ou dois salários mínimos por mês está preocupada com essa discussão? Muitos nem têm conta em banco.

A CPMF, que começou a ser cobrada em janeiro de 94, é uma impressionante máquina de criar recursos. Em 2006, arrecadou 32 bilhões de reais. E a verdade é que sua “cassação” vai provocar um grave desequilíbrio nas contas do governo . A oposição sabe disso e tenta tirar proveito da posição vulnerável do governo no momento da prorrogação de sua vigência.

Os representantes do empresariado nacional, com certeza os mais incomodados com a cobrança, também aproveitam para pressionar pelo fim da cobrança. Ou seja, é essa costumeira lenga-lenga toda vez que chega a hora prorrogação. A CPMF vira moeda de troca, atualmente o que se barganha é uma possível blindagem de Renan em troca de votos para a prorrogação da cobrança. E isso é discutido abertamente, na maior sem vergonhice. E o contribuinte que, de modo geral, não tem nenhuma simpatia pela contribuição, que deveria ser provisória mas está aí há treze anos, fica sem defesa no meio desse fogo cruzado.

O momento é mais do que oportuno para se pensar seriamente numa reforma tributária, tomando-se por base a CPMF ou qualquer outro nome que se lhe queira dar. Porque o sistema de arrecadação da CPMF provou, ao longo de todos esses anos, que funciona com perfeição. Recolhe o imposto na fonte, eis que a conta do contribuinte é invadida e dela retirado o percentual que vai para os cofres federais, além de impedir a sonegação, tão frequente nas operações “por baixo dos panos” e nas declarações anuais ao Fisco. Como benefício paralelo, está sempre deixando a Receita informada sobre as grandes fortunas. Sem dúvida é a melhor maneira de se implantar uma justiça tributária, pois cobra de todos de maneira igual, embora devesse sofrer algum ajuste em relação aos que ganham o mínimo para se manter.

A propósito, circula na internet um suposto diálogo em que o Doutor Adib Jatene, o pai da CPMF, depois de desafiar Paulo Skaf, presidente da FIESP, a lutar pelo fim de tributos bem mais elevados, como o Cofins, por exemplo, que tem a alíquota de 9%, encostou o empresário na parede ao afirmar: “é que a CPMF não dá para sonegar”.

Impedir a sonegação e democratizar a cobrança deve ser o princípio básico de qualquer modificação que se queira fazer na estrutura tributária do país. Não se trata de ser contra ou a favor da CPMF, mas de se aproveitar essa estrutura que tem dado certo para se promover um amplo debate sobre a reforma tributária, uma das mais urgentes necessidades do país. De fato, não dá para conviver com tantos impostos e taxas. Até para se administrar e fiscalizar isso é complicado. O imposto único, tendo como base o sistema arrecadador da CPMF, pode ser o ponto de partida para a solução de tantos problemas.

 


  Envie a um amigo

 Veja também
  Movimentação do segmento de Energia e Gás alavancam oportunidades de trabalho
  Como montar uma mesa de natal de baixo custo
 
 
Site UCB Escolas Adventistas Portal Adventista Página Inicial Escolas Adventistas Portal Adventista Página Inicial