Expediente Fale Conosco Nossas Igrejas Departamentos Quem Somos APS On-line Menu Principal Quem Somos APS On-line Departamentos Nossas Igrejas Fale Conosco Expediente

Domingo,
25 de Fevereiro de 2018




Trabalhe Conosco
Cigarro provoca infertilidade

Que o cigarro faz mal à saúde, todos nós sabemos. Mas além da influência em doenças cardíacas e respiratórias, ele agrava problemas de fertilidade tanto nas mulheres como nos homens.

Vários estudos científicos comprovam o efeito deletério do cigarro sobre a saúde reprodutiva.Tais efeitos podem determinar um risco aumentado de abortamento, de ter filho prematuro e de baixo peso, aceleração do início da menopausa, redução da fertilidade e diminuição na qualidade dos espermatozóides. Fumantes passivos com exposição excessiva ao cigarro também têm maior incidência de todas as alterações descritas acima.

O alerta é de Arnaldo Schizzi Cambiaghi especialista em infertilidade e diretor do Centro de Estudos do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia, Obstetrícia e Medicina da Reprodução). "Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos mostrou que as pessoas associam os riscos do cigarro mais às doenças respiratórias (99%), ao câncer de pulmão (99%) e aos ataques do coração (96%), do que aos problemas de fertilidade", diz o médico.

A situação não é diferente no Brasil. Os casais brasileiros enfrentam problemas para ter filhos e seguem fumando, agravando ainda mais a situação. Substâncias químicas presentes na fumaça do cigarro podem acelerar a perda natural dos folículos ovarianos levando, conseqüentemente, à perda da função reprodutiva. Adicionalmente, lesões cromossômicas ou do DNA das células germinativas humanas (óvulos e espermatozóides) podem resultar da exposição à fumaça do tabaco. Nos homens, o cigarro reduz a concentração de espermatozóides, diminui a movimentação e provoca alterações na sua estrutura, que podem favorecer ao aborto por induzir a má-formação fetal.

Estudos sugerem que pacientes que fumam requerem quase o dobro do número de ciclos de fertilização in vitro para conseguirem a gestação do que aquelas que não fumam. “Casais que apresentam problemas de fertilidade e que um dos dois fuma - ou ambos - devem informar isso ao médico”, alerta Cambiaghi. “Portanto é preciso que estas pessoas busquem ajuda de um profissional e dos avanços da medicina para largar o vício - já que hoje existem terapias bastante eficazes para tal. Entre elas, a terapia de reposição de nicotina (goma de mascar, adesivos cutâneos, spray nasal)” completa.

Como especialista em Medicina Reprodutiva sua carreira é dedicada principalmente aos casais que têm dificuldade em engravidar, tanto que sua clínica é considerada uma das mais conceituadas para tratamentos de infertilidade. Entretanto, preocupa-se com a saúde da mulher em todos os aspectos: físico, emocional e afetivo. Pensando no universo feminino criou os sites:
www.ipgo.com.br; www.trigemeos.com.br; www.bemestardamulher.com.br; www.fertilidadenatural.com.br; onde esclarece dúvidas e passa informações sobre a saúde feminina, especialmente sobre infertilidade.

Roberta Spinaci



  Envie a um amigo

Site UCB Escolas Adventistas Portal Adventista Página Inicial Escolas Adventistas Portal Adventista Página Inicial